Arquivo de etiquetas: Bibliotecas digitais

Alexander von Humboldt na Brasiliana Digital

Mensageiro da província de Jaén Bracamoros (Detalhe). No livro Des Freiherrn Alexander von Humboldt und Aimé Bonpland Reise (…), Volume 4. Acervo da Brasiliana USP.

Como parte dos nossos projetos na área de tradução – alemão, a Brasiliana USP colocou no ar, recentemente, o trabalho de catalogação das obras de Alexander von Humboldt sobre o Brasil: “Alexander von Humboldt (1769-1859), o barão von Humboldt, oriundo de família nobre, nasceu e morreu em Berlim (Alemanha). Humboldt se correspondeu e também influenciou autores e naturalistas de prestígio em sua época pois, como geógrafo, cartógrafo, naturalista e explorador, estabeleceu conceitos importantes para a geografia moderna e desenvolveu ramos significativos como a geografia climática e humana, a fitogeografia e a geopolítica“. O artigo completo de Luciana de Fátima Candido está na Brasiliana Digital.

“Falar”

Apresentamos aqui uma lista de gramáticas, dicionários e outras obras sobre língua e linguagem publicadas entre 1712 e 1822 em português, como complemento para a leitura do capítulo IV (“Falar“) de “As palavras e as coisas“, de M. Foucault.

(… ainda na esteira da nossa Roda de Leitura, como neste post de 10/04 sobre o capítulo II e neste post de 30/03 sobre o capítulo I). Continuar a ler“Falar”

Ler “A Prosa do Mundo” hoje

De Sensu Rerum et Magia Libri Quatuor
T. Campanella, De Sensu Rerum et Magia Libri Quatuor, 1620

Como apoio para as conversas na nossa Roda de Leitura desse mês, preparamos uma lista de reproduções digitais de dezessete livros citados por Michel Foucault em A Prosa do Mundo, o capítulo II de As Palavras e as Coisas.

Esta lista inspira um comentário. Continuar a lerLer “A Prosa do Mundo” hoje

Humanidades digitais e representação

Man Ray: Rayograph ii, 1925
Man Ray: Rayograph ii, 1925

“We’ve spent a generation furiously building digital libraries, and I’m sure that we’ll now be building tools to use in those libraries, equally furiously, for at least another generation, and I look forward to it. I’m sure that the text won’t go away while we do our tool-building—but I’m also certain that our tools will put us into new relationships with our texts. All we can really ask, in the end, is that those relationships be fruitful”.

John Unsworth,
Forms of Attention: Digital Humanities Beyond Representation Continuar a lerHumanidades digitais e representação