O fim do tele-Espectador?

Os jovens nascidos na era da internet estão vivendo um fenômeno cujo impacto o mundo dos adultos ainda não começou a compreender: eles estão encaminhando o fim da figura do “Telespectador”.scooby-doo-reboot

Uma matéria recente no blog youPIX, “O fenômeno dos youtubers mirins“, revela uma das pontas desse iceberg: os canais de YouTube criados e alimentados por crianças e jovens entre 8 e 15 anos, e assistidos diariamente por milhões de jovens da mesma idade. Esses canais, extremamente populares – alguns chegam a ter 70 milhões de visitas, ficando a maioria entre os 4 e 10 milhões – mostram gravações caseiras publicadas espontaneamente por jovens que ali compartilham seu cotidiano, com títulos como “50 fatos sobre mim“,”Curtindo um dia legal na piscina“, “Como fazer papinha de espinafre para bonecas“, etc.

A matéria do youPIX toca em diversos pontos importantes em torno desse fenômeno – sendo o mais saliente deles, talvez, o fato de que nenhum dos pais de nenhuma das crianças se dispôs a participar da reportagem, mostrando que esse parece ser um mundo novo do qual os adultos não participam, e levando o autor a concluir:

Ao mesmo tempo que é empolgante ver o quanto os hábitos de consumo de mídia mudaram, é também preocupante pensar no significado disso tudo e nos impactos que isso pode ter nessa geração. (youPIX)

coyote-under-anvilAqui, quero comentar um aspecto que me pareceu digno de nota entre tantos comentados na matéria: o fenômeno dos YouTubers mirins indica uma mudança radical no comportamento da nova geração frente ao entretenimento audio-visual. Como bem alerta a matéria,

Televisão, tremei! (youPIX)

Tremei, e muito. Qualquer um que conviva com jovens com menos de 20 anos já deve ter notado que eles simplesmente não assistem televisão. O aparelho preferido para o entretenimento visual é o computador – seja na forma de PCs, iPads, smartphones; é lá que jogam seus games e assistem seus vídeos, sejam filmes, seriados, ou, cada vez mais, os vídeos auto-publicados.

O aparelho de TV, nas casas habitadas por jovens, muitas vezes fica relegado ao uso dos adultos – ou, quando possível, passa a ser usado como telona ligada a um computador, para o dia em que aparece uma turma grande para ver vídeos ou jogar em grupo.

piu_piu_e__frajola_by_diegodin-d4avzjiEssa mudança tem várias nuances, mas uma delas me parece mais impressionante: o abandono da TV significa o fim da figura do tele-Espectador – aquele que assiste à distância, passivo, obediente ao conteúdo que outros escolhem transmitir, na hora em que escolhem transmitir. Um dos pilares do sistema Produtor-Espectador que já está quebrado para a nova geração, por exemplo, é o conceito de “grade de programação“. Para os jovens de hoje, a ideia de que alguém determine o horário em que você pode ver um filme, um desenho, um vídeo qualquer é simplesmente um conceito alienígena. Cada um vê seus programas na hora que quer, na sequência que quer.

O outro pilar em vias de desmoronamento é a dicotomia entre quem produz e que assiste – fato muito bem mostrado pela matéria do youPIX. Qualquer um pode produzir conteúdos, qualquer um pode publicar conteúdos, qualquer um pode ser o broadcaster.

RabugentoAs consequências disso são múltiplas e difíceis de tocar: uma delas é o fim eminente da TV tal como o século 20 a conheceu, certamente. Fora do mundo das impressões, há dados bem concretos que mostram isso – recentemente, por exemplo, a Pesquisa Brasileira de Mídia, dedicada a levantar os hábitos de diferentes segmentos da população brasileira quanto ao acesso à informação, mostrou a TV perdendo espaço para a internet entre os jovens e entre os mais escolarizados (baixe a pesquisa completa aqui).

Há uma outra consequência, mais banal, que já podemos antever: a incompreensão dos adultos frente a essa nova forma de relacionamento com a mídia. Parece que já consigo ouvir as lamentações e críticas: “mas é tudo muito superficial; mas quem controla esse conteúdo?; mas quanta bobagem, um canal sobre papinha de boneca; essas crianças deviam estar lendo um bom livro“; etc.

hongkongCurioso como a nostalgia impede nossa avaliação crítica das transformações culturais… Pareceria que nós, crianças do século 20, tivéssemos vivido infâncias compenetradas, um clássico da literatura universal sempre à mão, ocupados a tarde toda em decorar poemas barrocos. Na minha memória de criança dos anos 70, nossas tardes eram recheadas de Hanna-Barberas e Herbert-Richers: desenhos animados e séries “enlatadas” da pior espécie, pontuados, aqui e ali, por raros programas de qualidade. Quem não tem a memória de passar tardes inteiras assistindo Corrida Maluca, Casal Vinte, Os Herculóides, A ilha da fantasia, e outras besteiras inacreditáveis?

Assim, a mim me parece que as horas e mais horas que as crianças de hoje gastam com vídeos no YouTube não foram roubadas das horas de leitura de antes, mas sim das nossas horas passadas bovinamente na frente da tela quadrada, da Sessão da Tarde até a novela das sete.

A diferença, talvez, esteja nisso: “bovinamente“. Assistir televisão era uma forma eminentemente passiva de distração: você se afundava no sofá, olhava para a tela, e era alimentado de imagens, como um ganso com os figos.

PopeyeAquilo eram coisas produzidas e transmitidas por nós: e nunca pensávamos em realizar o papel inverso, de produzir e transmitir. Não nos víamos como participantes do sistema de entretenimento, estávamos na ponta do recebedor, apenas.

Reminiscências à parte, penso que a diferença entre a nova geração e os mais velhos, em seu comportamento perante as mídias, encerra uma diferença simbólica importante. Para as gerações que cresceram nos anos 70 e 80, “a TV” era algo que “estava lá“, uma determinação externa e (eu diria) “superior”: os conteúdos eram selecionados por nós, distribuídos ao longo do dia por nós, e nós, passivamente, esperávamos que passassem, assistíamos, e nada fazíamos. Essa relação unilateral e assimétrica nos fez aceitar “a TV” como instituição – o que, me parece, está ligado à nossa tendência em tomar aquilo que passa “na TV” como realidade, como dado do mundo, agora que somos adultos.

mr-magooSerá muito interessante observar que relação os jovens de hoje estabelecerão com a TV quando forem adultos, dentro de alguns anos.

Por enquanto, a discussão apenas começa, e ficamos aguardando os efeitos e consequências dos novos hábitos dessa geração mais jovem no universo da mídia.

Mas “enquanto isso, na sala de justiça“, vamos esperando que eles se tornem adultos mais críticos e criativos, e menos bovinos que os da minha geração Herbert-Richers.


oldTV

Imagem em destaque:
Aparelho de TV, 1962
Wikimedia Commons


One thought on “O fim do tele-Espectador?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.