“Las Meninas”, representações da representação

Las Meninas o La familia de Felipe IV, Velázquez
Las Meninas, o la familia de Felipe IV. Velázquez. 1656, óleo sobre lienzo, 381 x 276 cm. Museo del Prado, P1174.

“Talvez haja, neste quadro de Velásquez, como que a representação da representação clássica e a definição do espaço que ela abre. Com efeito, ela intenta representar-se a si mesma em todos os seus elementos, com suas imagens, os olhares aos quais ela se oferece, os rostos que torna visíveis, os gestos que a fazem nascer. Mas aí, nessa dispersão que ela reúne e exibe em conjunto, por todas as partes um vazio essencial é imperiosamente indicado: o desaparecimento necessário daquilo que a funda — daquele a quem ela se assemelha e daquele a cujos olhos ela não passa de semelhança. Esse sujeito mesmo — que é o mesmo — foi elidido. E livre, enfim, dessa relação que a acorrentava, a representação pode se dar como pura representação”. Foucault, As Palavras e as coisas, 1966.

Alguns recursos sobre “As Meninas” e Velásquez:

Museu do Prado, Madri
15 Obras Maestras: Las Meninas.
Site do catálogo permanente de destaques do museu.

Museu Picasso, Barcelona
Olvidando a Velásquez: Las Meninas.
Site da mostra especial realizada em 2008.

Metropolitan Museum, Nova Iorque
Heilbrunn timeline of art history: Velásquez.


3 thoughts on ““Las Meninas”, representações da representação”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.