Da “publicação”

Um estudo recente da American Academy of Arts and Sciences evidencia um problema extremamente interessante no campo das humanidades, e que tem sido menos discutido do que poderia – o estatuto atual do nosso conceito de “publicação“. Segundo o estudo, entre os critérios para a ascensão de carreira para pesquisadores nas humanidades nos EUA, “publication” é considerado essencial, e “public humanities” é o menos valorizado – sendo as tais “humanidades públicas” definidas como “making the humanities and/or humanities scholarship accessible to the general public“.

Detail of a miniature of a scribe demonstrating to his pupils, from Jean Corbechon’s translation of Bartholomaeus Angelicus’ De proprietatibus rerum, France (Paris?), 1st quarter of the 15th century, Royal MS 17 E III, f. 209r - http://britishlibrary.typepad.co.uk/digitisedmanuscripts/2014/06/the-burden-of-writing-scribes-in-medieval-manuscripts.html#sthash.Bn9DoJgp.dpuf
Detail of a miniature of a scribe demonstrating to his pupils, from Jean Corbechon’s translation of Bartholomaeus Angelicus’ De proprietatibus rerum, France (Paris?), 1st quarter of the 15th century, Royal MS 17 E III, f. 209r – http://britishlibrary.typepad.co.uk/digitisedmanuscripts/2014/06/the-burden-of-writing-scribes-in-medieval-manuscripts.html

Duas coisas chamam a atenção: primeiro, que tornar a produção acadêmica acessível ao público geral não é valorizado; “publicar”, sim. E mesmo antes disso: já a separação dos dois critérios – publicar, de um lado, e tornar acessível ao público “geral”, de outro, já nos mostra que publicar não é o mesmo que tornar público. Vemos aí, explicitada de modo raro, a complexidade do uso do termo “publicar” no ambiente acadêmico atual. Não conheço estudos semelhantes para outros países – mas a experiência acadêmica cotidiana e a convivência com os critérios de pontuação de carreira e pesquisa no Brasil podem nos mostrar facilmente que, pelo menos por aqui, a situação não é diferente: ganham-se pontos por “publicar“, mas não se ganham pontos por publicar… publicamente. Isso pode nos fazer refletir, de fato, sobre o que significa, hoje, publicar.

Se na raiz, publicar é “dar a público” – mas é evidente que esse sentido modificou-se há muito no uso acadêmico da palavra.

Detail of a miniature of Prudence writing at her desk, with pupils before her,from Laurent d’Orleans’ La somme le roi, France (Paris) 2nd quarter of the 14th century, Royal MS 19 C II, f. 48v - http://britishlibrary.typepad.co.uk/digitisedmanuscripts/2014/06/the-burden-of-writing-scribes-in-medieval-manuscripts.html#sthash.Bn9DoJgp.dpuf
Detail of a miniature of Prudence writing at her desk, with pupils before her,from Laurent d’Orleans’ La somme le roi, France (Paris) 2nd quarter of the 14th century, Royal MS 19 C II, f. 48v – http://britishlibrary.typepad.co.uk/digitisedmanuscripts/2014/06/the-burden-of-writing-scribes-in-medieval-manuscripts.html

Publicar, nesse contexto, passa a remeter à obtenção de uma chancela respeitável para o trabalho acadêmico – a chancela editorial dos veículos considerados aptos a julgar, pela revisão de pares e outros mecanismos, a validade do trabalho intelectual. Mudamos, então, o conceito do “público” no “publicar”: não nos referimos ao público público, ao publico amplo, mas sim ao público seleto e circunscrito dos que realmente importam. Nesse processo, passamos inclusive a usar um outro termos para falar naquela outra forma de publicação – menor, desimportante, dirigida ao público leigo: a “divulgação” acadêmica.

A persistência dessa nossa forma de ver o destino do nosso trabalho – desconfio – vai contribuindo para tornar nossas “publicações” objetos esotéricos e gradualmente irrelevantes, frente a uma cultura pautada pelo desejo de que tudo seja exposto, disponível e acessível a todos. A questão da “divulgação”, e de fato, o uso desse termo, naturalmente está entretecida neste problema do estatuto da publicação acadêmica. É possível argumentar que o papel que estou atribuindo aqui à publicação, bem como o conceito de “public humanities“, está mais ligado ao conceito de divulgação científica que de produção acadêmica. Parece-me, entretanto, que essa separação se torna cada vez mais tênue.

Detail of a miniature of a hermit at work on a manuscript, from the Estoire del Saint Graal, France (Saint-Omer or Tournai?), c. 1315 – 1325, Royal MS 14 E III, f. 6v -http://britishlibrary.typepad.co.uk/digitisedmanuscripts/2014/06/the-burden-of-writing-scribes-in-medieval-manuscripts.html#sthash.Bn9DoJgp.dpuf
Detail of a miniature of a hermit at work on a manuscript, from the Estoire del Saint Graal, France (Saint-Omer or Tournai?), c. 1315 – 1325, Royal MS 14 E III, f. 6v -http://britishlibrary.typepad.co.uk/digitisedmanuscripts/2014/06/the-burden-of-writing-scribes-in-medieval-manuscripts.html

Ela pode ser adequada ao universo do fazer científico ao qual estávamos acostumados ao século XX – e portanto, aos métodos de circulação da comunicação engendrados até aquele século – mas  não aos nossos dias. Se acreditarmos que “o digital”, mais que uma transformação técnica, é uma transformação cultural, teremos que refletir sobre as mudanças que ele pode causar (ou que já estaria causando) no trabalho acadêmico, a exemplo do que se tem discutido para o trabalho artística, por exemplo. Os debates em torno do acesso aberto à informação tem atingido diversos âmbitos da nossa cultura, e me pareceria, no mínimo, uma grande presunção imaginarmos que ele não atingirá o âmbito da produção acadêmica humanística. Fundamentalmente, temos que compreender que o acesso aberto tem como pressuposto a produção aberta, a produção em novos meios, meios nos quais a chancela de qualidade não funciona na saída, mas sim na recepção das publicações. Meios nos quais a figura do editor vai lentamente sendo substituida, no mesmo processo em que surge uma nova figura de “leitor” e uma nova figura de “autor” – figuras mais ativas, mais autônomas, que tomam o campo da chancela tradicionalmente confiada aos e-dictores.

Detail of a miniature of a scriptorium under the supervision of Io, from Christine de Pizan’s Book of the Queen, France (Paris), c. 1410 – c. 1414, Harley MS 4431, f. 109r – http://britishlibrary.typepad.co.uk/digitisedmanuscripts/2014/06/the-burden-of-writing-scribes-in-medieval-manuscripts.html

É nesse sentido que me parece que a separação entre a “divulgação acadêmica” (i.e., a produção dirigida a um público “leigo”) e a publicação acadêmica (aquela, para os especialistas) começa a deixar de fazer sentido. Quem decide, hoje, que leitura é leiga ou especialista?

Algumas experiências concretas de construção de novas formas de publicação acadêmica tem sido conduzidas nos últimos anos a partir desse tipo de reflexão – é o caso de algumas das experiências listadas neste post de março.  Muitas dessas vozes dissontantes que começam a se ouvir tem apontado  para aquele aspecto que eu mencionei rapidamente mais acima: a continuidade das práticas tradicionais de “publicação” – ou seja, a desatualização da nossa abordagem do que é dar a público nosso trabalho – pode colocar em risco a relevância mesma desse trabalho. Outros tem preferido abordar o problema do avesso, o que não é menos interessante: enxergam no meio digital um caminho de renovação das humanidades pela reafirmação de seu papel social, graças justamente às possibilidades de ampliação do público interessado no que os “humanistas”  tem a dizer.

St._Benedict_delivering_his_rule_to_the_monks_of_his_orderSim, público interessado – pois, como sugere Chad Gaffield nesta palestra, ao contrário do que muitos imaginam o interesse do “general public” por assuntos ligados à história e à literatura, por exemplo, é crescente – fato que o historiador atribui, primariamente, ao surgimento de novos instrumentos de “divulgação” da nossa produção acadêmica.

Seria possível argumentar que esse processo de transformação do papel da publicação acadêmica atingiria a produção científica de um modo geral, e não apenas a das humanidades. Entretanto, eu desconfio que nas áreas de humanas a questão é mais aguda e visível que em outras – simplesmente porque o estatuto da “produção acadêmica”, da scholarship, é nessas áreas muito particular. Nas humanidades, “o trabalho” se confunde com “os produtos do nosso trabalho” – noutros termos, nossos artigos, nossos livros, nossos “escritos”, não são relatos de algo feito em uma outra dimensão do espaço e do tempo: nossos escritos são o trabalho. Nossos artigos acadêmicos, por exemplo, não são relatos que remetem a experimentos conduzido num laboratório ou as experiências de uma pesquisa de campo – são, eles mesmos, o trabalho. Isso significa que se escrevemos alguma coisa e ninguém lê – não fizemos nada.

Full-page miniature of St Dunstan at work, from Smaragdus of St Mihiel’s Expositio in Reglam S Benedicti, England (Canterbury), c. 1170 – c. 1180, Royal MS 10 A XIII, f. 2v - http://britishlibrary.typepad.co.uk/digitisedmanuscripts/2014/06/the-burden-of-writing-scribes-in-medieval-manuscripts.html
Full-page miniature of St Dunstan at work, from Smaragdus of St Mihiel’s Expositio in Reglam S Benedicti, England (Canterbury), c. 1170 – c. 1180, Royal MS 10 A XIII, f. 2v – http://britishlibrary.typepad.co.uk/digitisedmanuscripts/2014/06/the-burden-of-writing-scribes-in-medieval-manuscripts.html

Portanto, considerando as condições atuais que se colocam para a circulação da escrita de um lado e a natureza do trabalho nas humanidades de outro lado, é de se perguntar – no caso das humanidades, qual a relevância da publicação que não é pública? Por que continuamos a restringir nossos trabalhos aos olhares dos círculos esotéricos de leitura?

Certamente, essas são perguntas com muitas facetas – mas uma delas é tão cristalina, que podemos  apontá-la aqui sem muita necessidade de elaboração: uma das razões mais fortes pelas quais continuamos aceitando a restrição editorial da “publicação” em moldes tradicionais é que sem ela não conseguimos empregos – ou não conseguimos nos manter nos empregos que conseguimos. É esse o aspecto para o qual o estudo da AAAS acima mencionado aponta muito claramente. Na reflexão que começa a surgir sobre o estatuto da produção acadêmica no contexto da cultura digital, esse ponto da valoração para fins de carreira tem sido de fato apontado como crucial entre as dificuldades para a renovação das práticas de pesquisa, ao menos nos campos das humanidades.

Eu desconfio entretanto (como já disse aqui) que o problema da nossa relação com o mundo da difusão digital é mais profundo do que parece. Aqui, por “nossa”, quero me referir a uma geração, ainda nascida e amadurecida nos anos em que vigorava a lógica daquele outro mundo, o mundo no qual “publicar” algo significava levar um objeto com as mãos de um ponto a outro do espaço. O “nosso” problema (enfim) é que a difusão digital nos assusta.  Ela é aberta demais, acessível demais  – e nos traz o medo de que os bárbaros invadam nossa cidadela.

Por isso, talvez as mudanças na lógica da produção acadêmica não aconteçam em nosso tempo de vida. Ou os bárbaros vão mesmo destruir nossos scriptoria, ou vão surgir novos humanistas, que consigam refabricar tudo, e fazer com que o futuro herde o nosso passado em novos moldes, como fizeram os humanistas da primeira geração do mundo da imprensa apesar da resistência dos que insistiam na produção reclusa e da circuação especializada dos manuscritos.

scriptorium


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.