Quando os BRICS do conhecimento?

A quando i Brics della conoscenza?

por Domenico Fiormonte,
no Infolet (17.06.2014)

Tradução de Elena Lombardo para o HD.br

“Quais línguas, qual comida, quais memórias sobreviverão no futuro? E quem decidirá sobre isso? O problema da diversidade bio-cultural entrelaça-se, então, ao dos interesses energéticos, alimentares, tecnológicos, etc e a comunidade científica – todas as comunidades científicas – são chamadas a tomar uma posição em relação a um mundo que muda – e a outro que não quer saber de mudar.”

Tráfico de internet global em 2010 - Imagem de infolet.it
Tráfico de internet global em 2010 – Imagem de infolet.it

A primeira notícia do dia é que os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) – as assim chamadas “economias emergentes” do planeta – a partir de 2015 terão seu próprio banco. A nova instituição financeira nasce como um desafio direto à supremacia ocidental encarnada, a partir do pós-guerra, pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional. Além disso, os BRICS assinaram acordos em outros setores e aspiram a dotar-se de uma agência de classificação própria, um circuito financeiro próprio e uma “internet privada” [1] que evite o trânsito que passa obrigatoriamente pelos nodos dos EUA. Aliás, a ordem geopolítica da indústria das telecomunicações é conhecida: os maiores fornecedores e donos de conetividade no mundo são os assim chamados “fornecedores tier 1”- T1P. Sua rede é tão grande que não precisam comprar “transit agreements” de outros fornecedores. Apesar de os interesses financeiros e comerciais entre esses gigantes não serem públicos, os T1P oficialmente deveriam ser catorze, mas segundo dizem alguns, o coração do backbone está nas mãos de sete irmãs: Level 3 Communications (EUA), TeliaSonera International Carrier (Suécia), CenturyLink (EUA), Vodafone (GB), Verizon (EUA), Sprint (EUA) e AT&T Corporations (EUA).

É evidente que os BRICS não são favorecidos por essa situação. Eles representam um quarto da PIB do planeta, 43% da população (3 bilhões de pessoas) e possuem reservas em moeda equivalentes a 4 trilhões e 400 bilhões de dólares. E, há algum tempo, fala-se em alargar o grupo a outros países emergentes, como a Turquia e a Indonésia (com taxas de crescimento do PIB interno de 5% e 6% por ano, respetivamente).

…………………………………………….

A segunda notícia na verdade nem é uma notícia, mas sim um ótimo resumo sobre a situação do “custo do conhecimento”, do infatigável Joaquín Rodríguez. Traduzo o que ele escreve, com alguns acréscimos:

Entre os primeiros cinco grupos editoriais do mundo, três dedicam-se à publicação de conteúdos científico-técnico-profissionais e à gestão e identificação de informações úteis para comunidades altamente qualificadas que precisam de conteúdos atualizados. A anglo-holandesa Reed Elsevier (promotora, entre outras, de Science Direct e Scopus), a americana Thomson-Reuters (produtora da Web of Science) e Wolter Kluwer (empresa holandesa que se uniu ao gigante alemão Bertelsmann & Springer, dando à luz Springer Science+Business. Trata-se de três gigantes que não apenas faturam quantidades inconcebíveis para editores que trabalham em outros campos [em 2013, Reed Elsevier faturou 7,2 bilhões de dólares] mas, sobretudo, dominam e controlam a produção, circulação e uso do conhecimento produzido pela comunidade científica.

Mapa da internet global em 2012 - Imagem de infolet.it
Mapa da internet global em 2012 – Imagem de infolet.it

Mas o que o banco BRICS tem a ver com o domínio anglo-saxão (e anglófono) do conhecimento? E, sobretudo, qual é a ligação com as Humanidades Digitais? Voltemos um pouco para trás. Em março de 2014, em seguida a um e-mail de injúrias enviada “por erro” para a lista de discussão da Associazione di Informatica Umanistica e Cultura Digitale (AIUCD), apresentei minhas demissões para a mesma associação. Não é o caso de repercorrer aqui as etapas desse lamentável (pelo menos para mim) acontecimento, que põe fim a uma história de amizades e colaborações de um vintênio; é preciso, sim, compreender as razões profundas do embate, em que se confrontaram duas visões geopolíticas divergentes. Na minha visão, estava em jogo muito mais que uma avaliação da oportunidade de filiação à associação europeia (EADH), mas sim

três camadas de problemas entrelaçadas entre si: i) um problema meramente político que consistia na representação da AIUCD e das outras organizações nacionais dentro dos atuais quadros (para nós, a ADHO e a EADH), e o funcionamento dos mesmos; ii) um problema de representação das diversidades culturais, linguísticas, disciplinares, etc, dentro e fora das organizações; iii) um problema de presença científica das pesquisas não-anglófonas no panorama internacional das DH (cfr. meu email de resposta).

Infelizmente, não foi possível discutir disso numa assembleia plenária, mas preferiu-se proceder de forma autorreferencial, assinando o acordo com a EADH sem ratificação da assembleia. Embora o diretório não fosse obrigado por “estatuto”, deveria fazê-lo, eu acho, em primeiro lugar para respeitar a palavra dada e, em segundo lugar, para reforçar a participação de seus associados que, desta forma, foram deixados por fora. Posto isto, o que me interessa analisar aqui não é o fair-play da AIUCD, mas sim a fraqueza das razões (e dos raciocínios) que estão por trás de algumas escolhas. É evidente que essa pressa escondia a ansiedade e o medo de serem “deixados por fora” do jogo “internacional”, representado, pelo menos na visão de quem quis o acordo, pelas supostas centrais de legitimação EADH/ADHO. De fato, o elenco das “vantagens” feito por respeitáveis membros do diretório parecia bastante magro – e sobretudo vago. Como observava no meu e-mail de 10 de fevereiro,

a filiação à EADH é, afinal de contas, um problema secundário. O verdadeiro ponto, a meu ver, continua ADHO, uma organização que se define internacionalmente representativa das Humanidades Digitais, mas é criado por “constituent organizations”, que decidem quem entra, como e por quê. É verdade que há um debate e que as coisas estão em movimento. Lemos em Humanist que é possível filiar-se individualmente sem adesão à revista LCC, mas isto não é claro. Um colega cubano escreveu para a lista do grupo GO::DH afirmando que queria inscrever-se, e recebeu vários encorajamentos. Mas por quê sendo um cidadão cubano ou, digamos, uzbeque posso filiar-me individualmente e sendo italiano, espanhol ou alemão preciso passar através da EADH? A intenção explícita é a de encorajar as filiações sem a obrigação de assinar a custosa revista, mas isso não coloca minimamente em discussão o modelo fechado de ADHO, e sim o reforça. Aliás, esta é a única forma de abrir mantendo o controle. (Diga-se de passagem que sete membros em nove do Steering Committee da ADHO vêm da GB, EUA, Austrália e Canada. Um do Japão e outro da Alemanha).

Em prática – e aqui encaminho-me para as conclusões – a escolha da ADHO, e portanto da associada EADH, parece a de manter firmemente nas suas mãos o controle sobre as Humanidades Digitais, buscando difundir uma imagem “internacional” da comunidade, mas continuando com instrumentos todos anglófonos: a conferência anual das Humanidades Digitais (veja post precedente), a mailing list Humanist, a revista LCC, monografias mais ou menos patrocinadas (como Companion). Para não falar em software, linguagens e assim chamados “padrões”, desde UNICODE a TEI. Como escrevia George Steiner em After Babel,

os códigos metalinguísticos e os algoritmos da comunicação eletrônica que estão revolucionando praticamente cada faceta do conhecimento e da produção, da informação e da projeção fundam-se sobre um sub-texto, uma “pré-história” linguística que é fundamentalmente Anglo-americana (da mesma forma que poderíamos dizer que o Catolicismo e sua história tem uma latinidade fundacional). Os computadores e os bancos de dados falam em “dialetos” de uma língua materna Anglo-americana.2

É esse “Esperanto Anglo-americano que permite declinar e estruturar o império do conhecimento em proporções e e modalidades nunca antes experimentadas na história (nem pelo catolicismo romano…). Pergunto-me: é isso o que convém a italianos, espanhóis, portugueses, franceses e, enfim, a todo o resto do mundo? A jogada dos BRICS – criar um banco – não é apenas uma jogada econômica, mas um sinal geopolítico – e cultural: China, Índia, Brasil, Rússia e muitos outros grandes países do mundo são a favor de um mundo multipolar. Estados Unidos, Europa e seus (sempre menos controláveis) satélites, neste momento, não. Do ponto de vista geolinguístico, nenhum dos BRICS, nem a China, teriam como impor sua própria língua ao resto do mundo. Enquanto é clara a vantagem absoluta dos “donos” da atual língua franca e dos imaginários a ela ligados. Obviamente, não podemos saber se os BRICS, depois de opor-se ao monopólio do empréstimo e da rede, opor-se-ão ao monopólio do conhecimento. Mas ter um novo jogador em campo é de bom auspício. Ao tomar decisões que dizem respeito ao minúsculo campo das Humanidades Digitais, podemos continuar a ignorar o que está acontecendo no mundo e as conexões que ativamos – ou não – através de nossas escolhas? É possível não ver que desde datagate ao enorme poder das multinacionais editoriais, desde Monsanto a Google, há um fio vermelho que une o problema do acesso ao conhecimento ao da representação política, a defesa da semente autóctone à defesa da fala local? Quais línguas, qual comida, quais memórias sobreviverão no futuro? E quem decidirá sobre isso? O problema da diversidade bio-cultural entrelaça-se, então, ao dos interesses energéticos, alimentares, tecnológicos, etc e a comunidade científica – todas as comunidades científicas – são chamadas a tomar uma posição em relação a um mundo que muda – e a outro que não quer saber de mudar. O título provocatório deste post, além de toda simplificação e generalização, procura simplesmente reforçar um conceito: há um desequilíbrio nas forças e temos uma desesperada necessidade de reequilibrar o sistema. Minha perplexidade sobre a adesão à EADH pela associação italiana baseava-se apenas nisso: uma visão diferente da relação centro/periferia (começando pela problematicidade dessas definições), a recusa de uma subordinação aos temas de pesquisa dominantes, a exploração de alianças alternativas e, finalmente, a criação de um projeto cultural que saísse dos limites impostos pela urgência do pertencimento a um grupo vencedor e pelo anseio de legitimação.

1 – O assim chamado “Brics cable”, n. d. t.

2 – Tradução nossa.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.