Representação do Conhecimento e Humanidades

09L’arbre_des_relations_logiques,_selon_une_édition_de_1512_de_la_Logica_nova. (1)
L’arbre des relations logiques, selon une édition de 1512 de la Logica nova. Imagem de quisestlullus.narpan.net.
Leia mais sobre o diagrama de Lull em www.jfsowa.com/krbook

Possíveis contribuições das ontologias para os estudos diacrônicos do Léxico e de História dos Conceitos

No seu artigo de 2009,  “Ontologies and Logic Reasoning as Tools in the Humanities?” (resenhado aqui), Amélie Zollner-Weber relata um experimento de aplicação do raciocínio lógico no campo das Humanidades [1]. Especificamente, trata-se do delineamento de uma ontologia para personagens literários e a sua exploração por meio de duas ferramentas computacionais (o Racer e o ProLog) baseadas na lógica. O texto tem três enfoques principais: o ponto de vista do usuário/estudioso na utilização de ontologias para o estudo de personagens literários, os limites metodológicos desta abordagem e os limites das ferramentas escolhidas.

Trata-se de um artigo particularmente interessante no que diz respeito ao segundo ponto, em que se questionam os limites da capacidade interpretativa da máquina no caso de tópicos de Estudos Literários. De fato, Zollner-Weber parece fazer-se porta-voz de um receio generalizado sobre a aplicação de técnicas da computação aos estudos humanísticos, voltando a evidenciar uma problemática que, ao contrário, parece superada nos demais trabalhos sobre tecnologias textuais.

Desta forma, o artigo constitui um convite – tanto consciente quanto inconsciente – para aprofundar as possibilidades de trabalho com ontologias. De fato, por um lado, emblematicamente, aquestão não é resolvida no texto e a pergunta sobre a capacidade da lógica de explorar relações semânticas não hierárquicas expressadas em linguagem natural é deixada em aberto, apelando-se, na conclusão, para novas pesquisas e discussões acerca do assunto. Por outro lado, os defeitos estruturais que destacamos na resenha crítica ao artigo justificam um revisitação do tema e o desenvolvimento de novos estudos.

Com estes pressupostos – e em forma de provocação -, sabendo da existência de estudos de Terminologia que se utilizam das ontologias para compartilhar e explorar conhecimento sobre um dado domínio, aproveito para imaginar a construção e o estudo de ontologias em pesquisas de História dos Conceitos ou em pesquisas que abordam aspectos lexicais da História da Língua…

Espero, desta forma, iniciar um debate no nosso Grupo que receba contribuições tanto teóricas, quanto práticas.

Leituras Sugeridas

a. Sobre Ontologias e Lógica Descritiva

BREWSTER Christopher, O’HARA Kieron, “Knowledge representation with Ontologies: the present and the future”, in IEEE INTELLIGENT SYSTEMS, vol. 4, IEEE Computer Society, 2004, p. 72-73.

HORROCKS Ian, “Description Logic Reasoning”. Invited tutorial at LPAR, Montevideo, Uruguay, March 2005.

MAHALINGAM, Kuhanandha, HUHNS Michael, Representing and using Ontologies, Center for Information Technology, Department of Electrical and Computer Engineering, University of South Carolina, Columbia, SC., 1998.

WILKS Yorick , “Are Ontologies distinctive Enough for Computations over Knowledge?”, in IEEE INTELLIGENT SYSTEMS, vol. 4, IEEE Computer Society, 2004, p. 74-75.

b. Sobre Representação do Conhecimento nas Humanidades

SINCLAIR, Stéfan et al., “Information Visualization for Humanities Scholars” in Literary Studies in the Digital Age: an evolving anthology. Disponível em http://dlsanthology.commons.mla.org/information-visualization-for-humanities-scholars/

UNSWORTH, John, Knowledge representation in humanities computing. 2001. Disponível em http://people.brandeis.edu/~unsworth/KR/KRinHC.html

________________, Digital Humanities Beyond Knowledge Representation, 2006. Disponível em http://people.brandeis.edu/~unsworth/UCF/


Nota
[1] Refiro-me ao artigo “Ontologies and Logic Reasoning as Tools in the Humanities?”, publicado na revista DHQ: Digital Humanities Quarterly, 2009. A autora é doutorada em Linguística Computacional pela Universidade de Bielefeld, Alemanha, e atua no campo do Web Semântico e no estudo de caracteres literários. Além do artigo em questão, publicou também em co-autoria com Alois Pichler o seguinte texto: PICHLER, Alois; ZÖLLNER-WEBER, Amélie. “Sharing and debating Wittgenstein by using an ontology” in Literary and linguistic computing, 2013, 28.4: 700-707.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.